O rotariano e os reconhecimentos da Fundação Rotária

 

Fui admitida em Rotary em 1989, mas como todos sabem já possuía uma grande vivencia rotária através da convivência com minha família e com outros companheiros rotarianos.

Digo sempre que meu primeiro amor não foi com Rotary e sim com a Fundação Rotária. Por ter tido a oportunidade de receber grupos de IGE, participar de eventos rotários regionais e nacionais acompanhando meu pai, foi crescendo meu carinho e minha admiração por esta entidade.

Em agosto de 1990, um ano após minha admissão oficial em Rotary fiz minha primeira contribuição para a Fundação Rotária e ao longo dos anos tentei sempre fazer minhas doações. Minha meta era oferecer ao meu irmão e padrinho em Rotary o primeiro titulo de Companheiro Paul Harris e também obter o meu reconhecimento, metas alcançadas em abril de 1992.

Com a família aumentando com a chegada de meus sobrinhos, estabeleci uma nova meta: oferecer a todos eles o mesmo reconhecimento, para que fossem gratos à entidade que estava proporcionando ao mundo a possibilidade de erradicar a Pólio. Em 1994 foi o Rafael, em 1995 o Guilherme, 1996 foi a vez do Bernardo (título que ganhei em um sorteio na Conferencia Distrital). A Débora foi agraciada em 1997, julho de 2002 foi a vez do Otávio, 2006 o João Vitor, 2008 a Ana Clara e o João Eduardo e em 2010 a Bruna. Meta concluída com muito sucesso e alegria, todos os reconhecimentos entregues em reuniões especiais para a finalidade proposta.

Nesta caminhada ainda tive a oportunidade de contribuir com títulos de pessoas amigas e merecedoras deste notável reconhecimento. Em 2013 fiz meu ultimo repasse para o fechamento de um reconhecimento e desde então continuo contribuindo e estudando quem será o meu próximo homenageado.

Todas estas contribuições foram fruto de parte de minha renda pessoal (com exceção do titulo do Bernardo), muitas vezes com grande sacrifício, mas com muita alegria e gratidão por tudo que o Rotary e a Fundação Rotária trouxeram para a minha vida.

Recebi os devidos reconhecimentos por estas doações e passei a então me preocupar mais com esta questão do reconhecimento, pois observei que alguns clubes e rotarianos estavam buscando estes reconhecimentos fugindo à nossa Prova Quadrupla.

Sempre entendi que o reconhecimento só pode ser oferecido à pessoa, ou ao clube e depois com a ABTRF, às empresas que realmente tivessem feito a doação.

Em 2007 fiz uma consulta ao Escritório de Rotary em São Paulo se eles tinham como negar o envio de reconhecimentos para pessoas que não eram na realidade os verdadeiros doadores. Eles disseram que infelizmente tinha que acreditar na palavra do rotariano.

O que estava e ainda está acontecendo?

O clube faz um evento e envia uma doação para a Fundação Rotária e agracia uma pessoa com o titulo de Companheiro Paul Harris (até ai tudo certo), mas alguns clubes ao enviar esta doação solicita que seja dada uma safira adicional para uma pessoa que já tem o titulo de companheiro Paul Harris. E infelizmente muitas vezes é o Presidente do clube ou ate um Governador que faz parte do clube.

Eu pergunto: É justo?

Desde 2007 guardo um debate que aconteceu em um grupo de rotarianos pela internet sobre este assunto e durante estes quase 11 anos tenho acompanhado o assunto e vejo que a cada dia aumenta a busca desenfreada de alguns rotarianos por reconhecimentos nem sempre justos.

Será que a necessidade crescente dos Curadores da Fundação Rotária em aumentar as doações não tem levado muitos rotarianos a quererem “comprar” o seu reconhecimento sem meditarem sobre o verdadeiro sentido desta doação?

Os clubes e os distritos estão agindo de forma transparente com as doações provenientes de eventos públicos, rifas, venda de panetones, casinha da ASR e outras formas utilizadas para levantar recursos para a Fundação Rotária?

Ou estão agindo em beneficio próprio? Alguns distritos arrecadam dinheiro de vários clubes e no final a contribuição é enviada em nome do clube do Governador.

O clube arrecada dinheiro de um evento publico e homenageia um rotariano em vez de homenagear uma figura proeminente na cidade e ainda dá a outro rotariano uma safira?

Sou amplamente favorável às campanhas e/ou eventos de arrecadação de fundos para serem doados para a Fundação Rotária, somente gostaria que os rotarianos ao encaminharem as doações a fizessem à luz da nossa Prova Quadrupla.

 

Patrícia Gonçalves Nogueira

Rotary de Itaúna – Distrito 4560

Governadora 2001/2002